O pensamento projetual aplicado à psicologia

Pinterest

pensamento_projetual

O design thinking aplicado à psicologia é o repertório de resolução de problemas utilizado na criação de soluções inovadoras (que sejam desejadas pelos usuários, viáveis tecnicamente e rentáveis para o negócio) na forma de produtos, serviços, experiências, processos organizacionais, ou até mesmo, modelos de negócio, com base nos conhecimentos científicos da psicologia.

Design como projeto

Embora muitas vezes a palavra projeto ou design tenha uma concepção de estilização ou embelezamento, função exercida por designers profissionais, como quando a mídia fala sobre o design do carro x ou do sofá y (se referindo à aparência de um determinado artefato), e portanto em nada relacionada com a psicologia, design deve ser entendido como a atividade ou o processo de projetar alguma solução inteligente. Nas palavras de Herbert Simon, um dos precursores da economia comportamental, projetar é:

“a elaboração de cursos de ações com o objetivo de mudar as situações existentes para outras mais preferíveis.”

De acordo com essa concepção, todas as pessoas (e não somente designers) ao se envolverem no processo de resolução de problemas (uma situação no qual o indivíduo não tem momentaneamente uma solução para produzir uma mudança para outra mais preferível, mas está manipulando suas condições para encontrar uma solução ótima ou satisfatória o suficiente) estão projetando. O design thinking ou pensamento projetual não é algo característico somente de designers, mas de toda humanidade, e muito provavelmente, até de muitas outras espécies.

No centro do conceito de design ou projeto, está a noção de ambiente construído: o meio físico, social e cultural produzido pelos humanos para servir como cenário ou contexto das atividades do próprio ser humano; o espaço projetado pelo homem, e, portanto produto material e cultural do trabalho humano, no qual as pessoas vivem, trabalham, e por fim, o recriam. Este é um conceito chave utilizado nas áreas de planejamento urbano, arquitetura e design, mas também convidativo a qualquer um que tente influenciar de forma positiva e ética as ações das pessoas através da construção de ambientes. O “construído” aqui pode ser entendido como sinônimo de artificial, aquilo realizado com um propósito, e portanto, objeto de intervenção dos projetos (obviamente, relacionado com um aspecto prescritivo de como o mundo deve ser), diferente do objeto da ciência, a “natureza” (obviamente, mais relacionado ao aspecto descritivo de como o mundo é).

Projeto como empreendimento temporário para criação de algo novo

Porém, além de se caracterizar pela resolução de problemas, para entendermos mais profundamente o conceito de design thinking, devemos trazer à tona o conceito de projeto. Diferentemente das operações rotineiras e contínuas (no contexto organizacional) e de hábitos (no contexto pessoal), um projeto é um empreendimento com objetivo específico, para se criar algo que não existia anteriormente, com um ciclo de vida definido e precursor de produtos, serviços, experiências ou processos. Assim, o conceito de projeto se opõe ao conceito de operação rotineira ou de hábito por ter um aspecto temporário delimitado (qualquer projeto tem um prazo) e por criar algo novo (mudar as situações existentes para outras mais preferíveis).

Desta forma, o design thinking nada mais é do que a criação de soluções inovadoras através do processo de resolução de problemas e delimitado pelo aspecto temporário na criação de uma solução. No dia-a-dia, podemos nos ater aos hábitos pessoais e processos organizacionais rotineiros ou utilizar o processo de resolução de problemas para criação de novas soluções. O design thinking é a aplicação da última opção.

Projetos psicológicos de contextos: nudging

Grande parte do trabalho do psicólogo não é encarado pela sociedade como uma atividade projetual, mas mais como uma operação contínua ou rotineira, em atendimentos terapêuticos ou atuando de forma contínua em ambientes institucionais (como hospitais, escolas, creches, albergues) e organizacionais (geralmente, na área de recursos humanos), tendo como foco a mente das pessoas. Porém, como já dizia Kurt Lewin (um dos psicólogos fundadores da Gestalt), o comportamento é função da interação da pessoa e seu ambiente. E como afirma Dan Ariely (outro psicólogo e um dos maiores divulgadores da economia comportamental), se os estudos sobre julgamento e tomada de decisão chegaram à um consenso, ele se trata da importância do ambiente no comportamento humano.

Por isso, a NudgesLab acredita que os conhecimentos da psicologia possam ser aplicados fora desses settings tradicionais da psicologia e através da criação do ambiente construído, o nudging, arquitetura da escolha, os projetos psicológicos de contextos, ou simplesmente, cutucões ou nudges. Esse é o design thinking aplicado à psicologia.

Embora no Brasil, este conceito seja novo (para vocês terem uma idéia: a NudgesLab não tem nenhum concorrente brasileiro), lá fora esse pensamento projetual aplicado à psicologia já tem sido amplamente divulgado (algumas das nossas referências: The Behavioural Insights TeamIrrational Labs, Ideas42, BEworks, The Irrational Agency, #ogilvychange, Gravity IdeasThe Nudging CompanyiNudgeyou, entre outras)  – principalmente através dos termos “nudges” ou “nudging”, mas vocês também pode encontrar essa proposta de trabalho com outros nomes, como behavioral design, design for behaviour change, habit design, persuasive design, entre outros – em diversas áreas (através de equipes de insights comportamentais dentro do governo para criar políticas para ajudar os cidadãos; consultorias privadas para criar práticas mercadológicas para criar valor para os clientes e para ajudar os colaboradores; consultorias sem fins lucrativos para ajudar os públicos-alvo do terceiro setor) e com resultados incríveis, como vocês podem encontrar nos nossos posts da categoria exemplos.

Enfim, psicólogos, não-psicólogos e não-designers, não tenham medo: projetar não é coisa de outro mundo. Na verdade, é algo que esse mundo precisa urgentemente: criar soluções de ambientes construídos, de forma a fazer desse mundo um lugar melhor para as pessoas e da humanidade uma espécie melhor para o mundo :)

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *