NHS e a amplificação dos efeitos de pequenos cutucões

Pinterest

Muitos pacientes agendam consultas médicas, mas acabam faltando, o que acaba acarretando um enorme prejuízo para os serviços de saúde pública. Com o objetivo de diminuir o não-comparecimento às consultas agendadas, um projeto piloto de nudging da National Health Service do Reino Unido (o equivalente do SUS no Brasil) pedia que os próprios pacientes anotassem as informações do agendamento, ao invés de outras pessoas anotarem o agendamento para eles (usando o princípio psicológico de compromisso e coerênciaas pessoas sentem-se mais dispostas a agir de certa forma, se encararem isso como sendo consistente com o seu comportamento prévio ou compromissos assumidos),  e mostrando a grande proporção de pacientes que compareceram às consultas agendadas nos meses anteriores (usando o princípio psicológico de aprovação socialquanto mais um comportamento for percebido como “popular” ou aceito socialmente, maior será a tendência para que alguém se comporte dessa forma). Com esses simples cutucões, a NHS conseguiu diminuir em aproximadamente 30% a taxa de não-comparecimento às consultas.

NHS_England

Esse projeto piloto mostra outra característica potencial do nudging: a amplificação. Ao fazer os cálculos, os arquitetos da escolha concluíram que a NHS poderia economizar 250 milhões de libras esterlinas (aproximadamente R$ 1.462.325.000!!! – conversão realizada em 28/01/16) por ano ao adotarem esses simples cutucões. Esse é o poder de pequenos cutucões que causam pequenas mudanças comportamentais aplicados em sistemas escalonáveis. Ao realizar uma pequena mudança em um sistema escalonável (no qual as coisas podem ser constantemente duplicadas ou multiplicadas – como comportamentos ou escolhas recorrentes), é produzido um resultado enorme. De fato, quanto maior o tamanho do sistema escalonável, maiores são os resultados, que são amplificados por pequenas mudanças, como cutucões.

  • Os seus consumidores, colaboradores, fornecedores, usuários e demais stakeholders tomam decisões recorrentes?
  • Quais são essas decisões?
  • Qual é o impacto de uma decisão certa? E de decisões certas recorrentes? E de decisões certas recorrentes amplificadas ao longo do tempo?
  • Como essas decisões podem ser otimizadas através de pequenos nudges?

Fonte: The Telegraph

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • Add to favorites
  • Email
  • Google Plus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *